segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Viver não dói - Dia D Drummond


Viver não dói (Drummond)




"Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. 

Sofremos por quê?
Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido?
A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional."

Carlos Drummond de Andrade


Postei este texto em Julho de 2009, mas achei boa ideia trazê-lo novamente, já que o releio sempre e faz parte da minha vida.

*



Adoro Drummond e trago um texto dele hoje, dia 31 de Outubro, pois quero celebrar seu aniversário. Aceitei o convite da Vanessa Anacleto, do blog Fio de Ariadne, para relembrar Drummond nesta data.


Publique em seu blog, twitter ou facebook também!





"Espalhe-se a ideia, tão simples quanto ambiciosa: transformar o dia 31 de outubro, data de nascimento de Carlos Drummond de Andrade, num dia de grande comemoração." leia mais aqui




41 comentários:

Tami Fonseca postou o comentário número:

Fernanda,adoro esse texto,acho muito verdadeiro.
Ótima semana.
Se puder dê uma passadinha lá na minha casinha + tarde que vai ter surpresa.

Bjinhuxx carinhosos.

♥ TAMI ♥

Marion postou o comentário número:

É isso mesmo... inspirador e verdadeiro! Abs. e boa semana!

Telma Maciel postou o comentário número:

Lindo esse texto, Fer! É como um outro blog que vi hoje por indicação, com um texto sobre "Open Your Eyes". Temos três opções para viver:
1 - viver na ignorância, com os olhos fechados e achar q isso nos traz felicidade.
2 - abrir os olhos e só enxergar o que é ruim, viver devagarinho e com medo de sofrer.
3 - abrir os olhos e ver as coisas se transformarem em cores. Aprender com o que for ruim, mas não deixar isso nos corroer.
Acho q é mais ou menos isso que o Drummond quis dizer tbm, né? Lindo o texto, mesmo!
Beijão!

Rose postou o comentário número:

Puxa vida Fernanda….coisa mais maravilhosa de se ler logo assim de manha.
Lindo este texto e muito propicio…pena que a gente leve taaaaanto tempo pra enteder tudo isso…reconhecer, entender ,trabalhar, modificar e desfrutar entao da vida…..
Obrigada e tenha um otimo dia.

Adriana Balreira postou o comentário número:

Fê,
Fiz lá meu post também do dia D. Esse seu texto eu amei, não conhecia. Beijos
Adriana

Simples Assim postou o comentário número:

Oi Fernanda,
Bonita homenagem ao nosso inesquecível Drummond.
Eu também vou preparar algo pra ele.
BJ,
Lylia

Lola postou o comentário número:

Dia D poderia ser todo dia não Fer???
Grande poeta....faz falta!

Bjs

Bibia Bueno postou o comentário número:

Puxa, adorei isso! Demais o Dia D!!! Adorei, adorei!!!! :)

Renata Marques postou o comentário número:

Inúmeras lições que podemos tirar do mestre Drumond. Quem diria que do interior de Minas Gerais poderia sair alguma coisa boa? Falo com orgulho pois nasci em MG.

Rosana postou o comentário número:

Lindo texto, Fê! Esse com certeza vale sempre ler e reler!

Bjs!

Lufe postou o comentário número:

Que bela homenagem a Drummond.
Ele merece!

bjo procê

A Diva postou o comentário número:

Maravilhoso escritor!

Falar é completamente fácil,
quando se têm palavras em mente
que expressem sua opinião.

Difícil é expressar por gestos e atitudes
o que realmente queremos dizer,
o quanto queremos dizer,
antes que a pessoa se vá.

Carlos Drummond de Andrade

Mari Hart postou o comentário número:

Amoooo muito esse texto dele! Tô compartilhando!

Bjos!

Andreia Lica postou o comentário número:

Adoro Drummond desde a minha adolescência...o primeiro poema que li foi
João amava Maria que amava José...

Depois desses li tantos, mas o primeiro a gente nunca esquece...

Bela homenagem.

Bjos

Alessandra Cerqueira postou o comentário número:

Oi Fe
Aderi sua ideia e estou divulgando lá no blog.

Abraços
Leka

Novo Palio postou o comentário número:

Drummond é realmente uma leitura fascinante!

Ainda não conhecia o texto, muito lindo!

Helena Silva postou o comentário número:

Tudo de Carlos Drummond me inspira, me deixa um pouco melhor. Esse texto é maravilhoso. Obrigada por compartilhar.
Meu trechinho: Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Beijos
Lena

Liliane Pimenta postou o comentário número:

E viva, o mestre Carlos Drumond, adorei a iniciativa do dia D, que possamos celebrar a literatura sempre!
Ah!, Amei sua visita!!!Volte sempre!
Liliane
www.jeppimentinha.blogspot.com

Vanessa Reis postou o comentário número:

Grandes lições... parabéns pela homenagem, ele realmente merece ser lembrado sempre.
Abraços!!!

Turquezza postou o comentário número:

O Instituo Moreira Sales pediu para fazer um vídeo ......
Preferi postar também com uma poesia.
Sua postagem está ótima.
Beijos.

Lulu postou o comentário número:

Excelente idéia! Linda! Amo Carlos Drummond de Andrade desde que tomei conhecimento de sua existência, e acho mais do que justa a homenagem ao nosso eterno e querido poeta.

Beijos

Teresa Cristina Martins postou o comentário número:

Oi Fernanda, esse texto é muito bom, reflexivo, sempre vale a pena relê-lo. Tbm estou participando. Beijos

Patricia postou o comentário número:

Fernanda,desculpa,mas hoje vou precisar discordar do queridíssimo Drummond.
Viver dói e dói muito,seja a realidade ou a ilusão.
As ilusões são opcionais e aí se doem quem as tem,mas os sonhos realizados,quando se acabam de um dia pro outro doem,muito,muito mesmo.
Amo Drummond e o reverêncio muitas vezes em meu blog,postando algumas palavras dele,mas hoje eu discordei,vai ver que é a minha alma chorando o sonho acabado.
bjs
Patricia Petro

Gilmara Wolkartt postou o comentário número:

Ei Fernanda,
Também gosto muito desse texto, Drumond traz uma intensidade incrivel!
Boa escolha.
Boa semana para você.
Gdbeijo

Ana Paula Santiago (inventandocasa.blogspot.com) postou o comentário número:

Eu não conhecia esse texto do Drummond.
Eu tô me reformulando, quero aprender a evitar o sofrimento. Como diz o sábio Poeta: a dor é inevitável, o sofrimento opcional.

Um beijo.

Beatriz! postou o comentário número:

Passei para lhe deixar um cheiro e um beijo!
Durma com Deus!
Boa noite!
Bjokas da Bia!!!

Dani Pivatelli postou o comentário número:

Esse texto é mt, mt, mt sábio!!!! É perfeito, não há uma palavra que mudar, nem mt o que dizer.

Por isso q digo: meu amado Drummond é O cara!
E como ele mesmo diria: me calo repleto!

Ana Carla Benet postou o comentário número:

A gente se deleita com esse dom (só pode ter sido dado por Deus) que os poetas tem com as palavras.

Lindo.

Veronica Kraemer postou o comentário número:

Que lindooooooooooooo, Fe!!!
É pra lermos sempre!!!
Beijosssss

Luciana Aragão postou o comentário número:

Fernanda, eu usei essa frase de Drumnmond que vc pintou de azul na minha formatura...alias, foi um dos momentos mágicos de minha vida...fui homenageada como "nome da turma" nessa época e nunca esqueço disto e nem desta frase ae.

boas lembranças beijos!

marciagrega postou o comentário número:

Homenagem mais do que merecida!
Um grande nome da nossa literatura!

Um abraço

Alê postou o comentário número:

Oi Fernanda, Drummond é realmente indiscutível e esse texto sempre me serve de inspiração quando não estou muito legal. Faço minha escolhas e não costumo me arrepender pois acredito que no fim, tudo dá certo.
Bjos e um feriado maravilhos,

Alê

Patricia postou o comentário número:

Fernanda,acabei de ler seu comentário lá no blog e vim te resumir o meu sonho acabado.Mais uma vez,nós,aqui da região serrana,fomos atingidos pelos humores do mau tempo.Uma terrível chuva de granizo,atingiu a região.No inicio do ano,trabalhei junto com minha filha,como voluntária nas tragédias ocorridas aqui com as chuvas e agora,fomos nós as vitimas atingidas por ela.Meu amado sitio,acabou!
Amiga,se quizer saber mais,fiz uma postagem bem grande sobre o acontecido no sábado ultimo," Destruição e Tristeza ",se interessar,passe lá e você vai entender minha tristeza.
bjs grandes
Patricia Petro

Dona Amélia postou o comentário número:

Adoro Drummond, e como não participei da blogage, porque vi tarde, trouxe um dos que gosto muito:

As Sem-razões do Amor (Carlos Drummond de Andrade)

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Xerinhos, bonita!
Paty

Vanessa postou o comentário número:

Não consegui visitar ninguém dia 31, estou chegando aqui só agora . Antes tarde do que nunca.

bjs

lena postou o comentário número:

Tinha muito para dizer mas vou resumir. Simplesmente maravilhoso...
Beijinhos grandes.

Janaina Cassis postou o comentário número:

Lindo texto Fernanda!
Amei mesmo.
É isso aí amor não deveria causar sofrimento, acho que se acontece é por entre o amor verdadeiro as pessoas criam ilusões, fantasiam, aí acaba acontecendo o inevitável...
Bjs

Anônimo postou o comentário número:

Fernanda,não conhecia e achei lindo!!! Vou levar sempre comigo, pode apostar... Oh! tenho aprendido muito com vc, viu?? pode apostar...bjs leila vergara

Helena Silva postou o comentário número:

Continuo com o mesmo trechinho do meu comentario anterior:
Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Beijos
Lena

Geh*** postou o comentário número:

Nossa sou eu nesse texto.
Sofro porque tenho sonhos, planos, objetivos possíveis, mais ao inves de correr atrás, prefiro me entregar a preguiça do hoje e viver no amanhã.
"Amanhã eu faço, hoje vou ficar de boa"...

Texto maravilhoso!

bjusss

Rita De Carli postou o comentário número:

Adoro Drummond!
E este texto é profundo e verdadeiro!
Quantas vezes optamos por sofrer em lugar de viver intensamente?
Bjks

Voltar ao topo