segunda-feira, 20 de maio de 2013

Avó Maravilha aos 33 Anos - Fernanda Sahira



Fernanda é uma amiga querida da vida real. Além de ter um nome lindo como o meu, é divertida, meio doidinha e superbatalhadora. Eu a adoro e a admiro muito. Quando a conheci, em 2010, não consegui acreditar que aquela moça bem mais nova do que eu pudesse ser avó. Ela tem muitas histórias boas para contar. Para conhecer todas, você precisa passar um dia inteirinho lendo o blog dela, o Minha Mãe Sabia. Hoje, convidei a Fer para contar como soube que seria avó tão cedo:


 - "Gabriela que tanto sono"? perguntou Fernanda.
 - "Sei lá mãe..." respondeu Gaby.

Foi o que bastou. Ela tinha 18 anos, eu não havia desconfiado uma vez sequer, nem nas épocas de vômitos por causa da vesícula. Fui delicada como um chute de elefante, não me condenem, eu não tinha tanta noção de como ia ser difícil depois.


Simplesmente dei um grito:

- "Gabriela ACORDAAAAAAAAAAAAA, ahããã?? TU ESTÁ GRAVIDA!""

- "Mãe tu é louca! Que grávida??? Tá tudo certo, mês passado veio, tô cansada". E enquanto ela falava, eu já ia arrancando Gaby da cama.

Em duas horas já estávamos em uma clínica de imagens, porque não tive nem paciência para um exame de sangue. 

Fizemos o ultrassom e, naquele momento, ela ria de mim dizendo: -"Viu? Não tem nada."

A médica aumentou o som do aparelho e aquele barulho que parece uma máquina de lavar invadiu a sala. Gaby começou a chorar, não sabia o que falar, aliás falava coisas que hoje prefiro nem lembrar, e eu acalmei, abracei, chorei junto.

Havia 4 anos que ela morava com a avó, nos víamos muitas vezes, mas ficávamos pouco tempo juntas, porque mais de 3 dias já saía discussão.

Saímos da clínica, ela chorando no banco de trás do carro, meu marido pálido, e eu muda, só falava: - "Calma, vai dar tudo certo".

Mas e meu sentimento? Raiva!!! Sentia tanta raiva, porque na época estava começando a traçar metas e tentar coisas que pudessem mudar e melhorar a vida dela, e no entanto ela ficava grávida com 18 anos?

Mais que qualquer pessoa, sem dúvida, quem mais rejeitou fui eu. Sempre fui bem prática, ajudei, falava que tudo daria certo, apoiava, mas meu coração sentia tudo ao contrário. Eu não conseguia nem fazer muito carinho na barriga, não limpei um vômito, mas tentava "compensar" fazendo enxoval, indo ao médico...

Então, quando o médico contou que a neném estava dando trabalho e os riscos de um parto prematuro eram evidentes, comecei a ter medo. Tinha uma poupança guardada para uma viagem que estava programada há tempos e paguei um parto de emergência. No dia 12 de Março de 2010 nasceu a Lara, três dias antes do aniversário da avó, só para roubar a cena. 



Quando aquela ratinha veio pro meu colo e ficou aninhada, tudo mudou, ou meu coração fez minha cabeça aceitar.

Se chorei? Muito! A sensação de ser avó com 33 anos, foi extremamente difícil, eu queria cuidar, resolver, mas não podia afinal, ela é minha neta.

Ver a Gabriela ser independente e não pedir ajuda doía. E quando ela foi trabalhar e deixava a menina com a avó paterna? Mesmo eu tentando convencer que uma escolinha seria melhor...


Como é hoje? Muito bom, me faz sentir que sou forte também, minha neta é minha fã, hehehe, canta Elis Regina para mim, é calorenta e dorme na mesma posição que eu, faz o Edson (meu marido) e os meninos (pequenos tios) de gato e sapato, liga pra mim e diz: 

-"VÓÓÓÓÓ, tu estás me ouvindo?"
-"To Lara, pode falar
- "Sabe a tua filha Gabriela? Ela me xingou! Vem aqui em casa e me pega, tá? Diz pro Ed pegar o carro ou o meu dindo Alex me pegar."


Lara é minha parceira, tem as manchinhas de nascença da vó.



Uma boa vantagem? Quando o bicho pega, devolvo pra Gaby e digo, ó pega que a filha é tua. Mas morro de saudades quando fico muito tempo sem ver. Lara é o bebê da casa, mas ainda por mais que só pense, lamento pela gravidez tão precoce da minha filha, que hoje tem limites na vida, e cada passo que ela dá é muito mais sacrificante.

É isso, ser mãe e ser avó, me faz sentir o quanto estou viva...

*

Visite a loja virtual das minhas amigas Fernanda e Cissa






12 comentários:

CRIATIVIDADE EVA postou o comentário número:

que legalllll, que família linda!!!!Adorei conhecer mais um pouco da vida da outra Fê que eu já sou fã (também) lá da Casa de Sahira. Bjs da Ju

Gise Sonhos postou o comentário número:

Que delícia!!! O futuro de todos nós a Deus pertence!!!

Palavras Vagabundas postou o comentário número:

Que susto ser avó aos 33! Agora a neta deve adorar, pois terá lembranças de uma avó ativa e divertida, além de poder conviver muitos e muitos anos com ela! Parabéns Fernanda!
beijos
Jussara

Sheyla - DMulheres postou o comentário número:

Fernanda

Linda história e que susto danado e ser vó aos 33 anosrsrs Mas, Deus sabe tudo que faz . Adorei conhecer mais sobre esta sua amiga, que acompanho tb e já era muito fã dela.

bjokasss e uma boa semana.

Luciana. postou o comentário número:

Oi Fês! Tive o prazer de conhecer a Fernanda Sahira que é linda e maravilhosa, e achei muito emocionante sua história... me fez chorar.
Que Deus continue abençoando essa vózinha que é tudo de bom!
Bjos, Lú.

Lúcia Soares postou o comentário número:

É, Fernanda. Nunca é fácil. Gravidez precoce é algo a ponderar. O importante é realmente a mãe assumir, seja o quanto for difícil. Avó é para dar o suporte. Mãe é mãe.
Mas quando temos esses pequeninos no colo, tudo o mais é esquecido.
Muitas alegrias para você e a pequena Lara.
Beijos, FernandaS.

Clara Lúcia postou o comentário número:

Uia....
Já vi muitas histórias assim, de netos inesperados que derreteram o coração dos avós. Criança é sempre bom, bem-vinda, mas ser avó tão nova, deve dar um medo... afinal a filha até pouco tempo era um bebê, que agora gerou outro bebê.
Coisas da vida...
Amei a história!

Beijos

Adelaide Araçai postou o comentário número:

Gente é umna loucura mas deve ser muito bom também... Linda essa família.

Abraços

Fernanda postou o comentário número:

Fer, muito obrigada mesmo....você sempre tão gentil e carinhosa...e as meninas obrigada....

Kathleen Irizaga postou o comentário número:

Ai como eu queria ter sido mãe aos 15...Assim,para poder ter uma filha que crescesse comigo e juntas nós fôssemos uma união só...Isso eu sonhava com 15...Tuas histórias superam qq sonho de adolê! Muito linda, muita parceria e muita coisa linda pra se viver! Ameyyyyyy! bjkssss
Obrigada Fernanda Reali, pela linda história da Fer Sahira!

Valéria postou o comentário número:

Eu tenho uma filha de 16 e no começo da narração fiquei apavorada, rsrsrsrs
Mas o final é tão cheio de amor que quase vim às lágrimas!!!!
Bjs

Eu que fiz... ou quase isso postou o comentário número:

Oi Fernanda, muito sincero seu depoimento, acho que estou tendo a mesma reação que vc, acho não estou, ainda penso muito nas dificuldades que a Rafaela vai passar, tentei dar uma vida diferente para minha filha, um pouco mais de instrução para que pudesse alçar vôos maiores e não tivesse tanta dificuldade financeira, mas nada adiantou, mas como sei que tudo passa meu coração esta aberto para amar minhas netinhas e sei que isso vai acontecer na hora em que elas nascerem.
O negócio aqui em casa vai pegar fogo, éramos 4 agora seremos 7!! Jesus!

bjs

Gélia

Voltar ao topo