sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Faça seu Projeto Felicidade



Sempre tive tendência a melancolia, à tristeza, ao negativismo e à depressão. Depois de alguns anos na terapia, consegui mudar em alguns aspectos, fazendo escolhas melhores, dizendo NÃO para o que me machuca e SIM para o que me faz bem. Mesmo assim, todos os dias preciso fazer essa escolha, porque o mau humor e o negativismo são insidiosos, vão espreitando e tomam conta de tudo. Assim como a pessoa escolhe o filme que vai assistir, a roupa que vai vestir, precisa escolher a ATITUDE que vai tomar diariamente. 



Mês de Novembro: Manter o Coração Satisfeito



Comprei The Happiness Project em Amsterdã, o livro estava escrito em inglês, devorei, li, reli, mas precisava ler em português, porque sabia que me tocaria mais. Foi uma excelente compra. A releitura está me fazendo muito bem.



O livro é dividido de forma a que o projeto seja factível em um ano, para cada mês um assunto é abordado e objetivos são propostos. É tudo muito simples, muito fácil de compreender, mas é difícil aplicar no cotidiano.




Eu não sei perdoar e tenho uma enorme dificuldade em lidar com as frustrações, e o livro me lembra do que posso corrigir. Esta lição eu já sabia: "A felicidade tem uma influência forte no casamento, porque os cônjuges "pegam"o humor do outro com muita facilidade". Não somente cônjuges, mas também todos que convivem se contaminam com o humor alheio. 



Fevereiro: Lembre-se do Amor


Como reagir de forma mais positiva quando a gente é negativa? Tentando se educar. A aprendizagem é um processo constante, temos que lembrar disso. 




Não posso gastar, pois estou economizando para...



É preciso reservar um momento para rir, para criar, para se divertir.

Mês de Maio: Levar a Brincadeira a Sério


Todo o texto da escritora Gretchen Rubin pode ser encontrado na internet, mas eu recomendo que compre o livro porque é preciso reler, marcar, consultar. Gostei de tudo, por isso é difícil selecionar poucos trechos.




 O que eu tenho tentado por em prática:

- Fazer um diário alimentar, ter consciência do que como e bebo
- Guardar lembranças felizes para acessar nos momentos difíceis
- Arrumar um tempo para ser boba, dar risada

- Manter um caderno de gratidão
- Pegar leve com as pessoas, deixar pra lá o que não for tão importante
- Evitar ao máximo fazer comentários negativos

- Gerar mais emoções positivas
- Agir de forma a dar provas de amor; somente a palavra não basta
- Sair da rotina de vez em quando, experimentar algo novo
- Lembrar do que é realmente importante
- Cultivar o sentimento de gratidão diariamente




Visite o site da escritora Gretchen Rubin e leia mais sobre os livros dela. O site está escrito em inglês e, se for necessário, use o google tradutor para ajudá-lo.

No blog Desassossegada, a blogueira Stephanie escreveu sobre como este livro a tocou. 

Obrigada por ler meu post. Se puder, escreva o link do seu blog nos comentários, para que eu possa retribuir a sua visita.


Participe desta blogagem coletiva, um post por semana, ou quando for possível, conte o seu momento de gratidão e depois leve seu link lá para a minha amiga Elaine Gaspareto.   



2 comentários:

Neli Rodrigues postou o comentário número:

Fernanda, me identifico com vc.
Sou um tipo mais quieta, introspectiva, vivo flertando com a tristeza e a depressão.
Ser animada, alegre, não é algo natural, mas que eu procuro praticar diariamente, pro meu bem e pelo bem dos que me cercam.
Vou me informar mais sobre esta autora e sobre este livro, achei bem interessante.
Valeu a dica.
Bjs

Gilmara Wolkartt postou o comentário número:

Fernanda, você sempre me inspira!
Lindo ver você lidando com as suas questões de forma tão verdadeira e sincera!
Abraço forte!

Voltar ao topo Real Time Analytics