Mostrando postagens com marcador Fotografia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fotografia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 13 de maio de 2014

Mãe sem Filhos? - Depoimento Dia das Mães



Dando continuidade à série Dia das Mães na visão não comercial, trago hoje o depoimento da K., que é como vamos chamá-la, mantendo o anonimato a seu pedido, por questões familiares.




K. é uma amiga a quem admiro muito, e vai nos contar sobre o filho que ela tanto ama, mas que não pode ter por perto. Por que uma mulher precisa sofrer com esse tipo de separação? 





"Sempre me perguntaram como é viver longe de um filho. Minha vontade sempre foi pedir pra pessoa sentar que eu iria contar uma longa história. Mas apenas desconverso, pois dizer “não é fácil” parece um resumo tão injusto de toda a história, de tudo o que passei e que passo...



Tudo começou quando me separei, numa relação complicada. Não tinha para onde ir, nem emprego. Tinha parentes que moravam longe, numa casa simples. Numa situação de desespero, fiz as malas e fui. Sem meu filho...



Fiquei meses dividindo uma cama de solteiro com uma amiga num quarto minúsculo. Durante um tempo, fui muito julgada por pessoas que não sabiam de toda a história, e que ignoravam o fato de eu estar pensando no meu filho em cada atitude tomada. Fui acusada de abandoná-lo, de ter feito coisas que nunca fiz. E isso é comum, pois na sociedade em que vivemos, é “mais fácil” julgar a mulher.



Logo arrumei um emprego e o visitava sempre que possível, mas era complicado, pois eu tinha que ser forte em dobro para ouvir e lidar com coisas que eu não queria.



A cada visita ele demonstrava uma fase diferente, às vezes todas juntas. À distância, eu tinha que decifrá-lo. Mas, no meio disso tudo, havia a lembrança do que minha mãe sempre me dizia: “coração de mãe nunca se engana”. Era confiar nos meus instintos e sempre fazer as escolhas que melhor o beneficiassem.



Já cheguei a acreditar que meu filho me odiava, mesmo sem eu ter motivos para isso. Mas não desisti. Eu tinha tanto amor, que de alguma forma eu achava que era o suficiente para mudar qualquer coisa. E eu não estava errada.



Tudo, tudo, tudo que faço é pensando no meu filho. Cada passo, cada projeto, cada decisão. Ele é minha maior motivação, e foi a pessoa que eu mais pensava quando em determinado momento da minha vida, pensei que talvez não tivesse forças o suficiente para seguir em frente .




Durmo e acordo pensando nele. Vejo crianças na rua, e penso nele. Fico pensando nos desenhos que ele gosta, nos momentos da escola, e em tantas coisas que distante, eu perdi.



No fim, a ausência não nos separou. São muitos fatores que dificultaram nossa aproximação, mas aos poucos, vamos provando a todos que não existe barreiras contra o amor, ainda mais quando se trata de mãe e filho.



Hoje em dia, eu me considero uma pessoa com uma vida que sempre sonhei. Tenho um trabalho que me traz felicidades, uma pessoa ao meu lado e amigos que me apoiam. Me orgulho das coisas que superei para chegar até aqui. E, além de tudo isso, tenho o amor do meu filho, o amor que um dia eu cheguei a acreditar que fosse impossível. Eu não posso reclamar de nada!



Às vezes, penso no que eu diria quando, lá na frente, ele me perguntar o motivo de tudo. Às vezes, penso que ele não vai nunca me perguntar. Imagino nós dois obtendo todas as respostas em silêncio, em cada encontro, em cada abraço, em cada olhar.



Se eu fiz as escolhas certas? Se eu sou a mãe ideal? Se eu faria tudo de novo? Esqueço de todas as perguntas e respostas quando, por alguns momentos, posso ver o sorriso de quem me faz me sentir a pessoa mais feliz e realizada do mundo!"





Este post participa da blogagem coletiva Fotografia do blog Moça de Família da Dani Moreno. Visite-a!



.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Família



Depois de vários dias afastada do blog, volto com o post sobre Família, proposto nesta semana na blogagem coletiva da Fotografia



Passamos duas semanas viajando, ficando alguns dias em Madri, outros em Barcelona e, na volta, mais um dia em Madri. Foi uma boa viagem, cheia de cores, sabores e bons momentos. 



Tive o grande prazer de conhecer Guacira, a irmã da querida Diacuy, do blog Baú da Lola. Gentis, carinhosas, divertidas, adoráveis essas irmãs. Além de conhecer as duas, conheci as famílias delas. A família da Diacuy, conheci no Rio, e a família da Guacira, conheci em Barcelona.



 As filhas da Guacira, Jacy e Giulia, foram carinhosas com meus filhos, simpáticas, ajudaram Helena quando ela passou mal após a viagem de trem.



 Conhecemos o seu marido Giulio, simpaticíssimo, e peguei no colo a Olívia, o novo membro da família deles, uma cachorrinha que adotaram em uma feira de cães resgatados.

Giulio contou várias coisas interessantes. Adoramos o bom papo dele.


A família da Guacira vive sem parentes em Barcelona, pois ela é de São Paulo, e seu marido é do norte da Itália. Vivem lá somente os quatro, assim como a minha família aqui no Rio. 


Vou postar mais fotos sobre os passeios e as coisas bacanas que vimos por lá. Volte para ver!






terça-feira, 22 de abril de 2014

Chocolate





Chocolito's é a marca de chocolate da Roberta Lito. Sempre encomendo com ela, pois faz com ingredientes ótimos, acrescenta coisas de que gosto, como nozes, pistache, castanhas.

Estes bombons estavam deliciosos e tiveram o toque extra de serem embalados com papelzinho combinando com as cores do meu blog naquela época.




Além de personalizar os chocolates como a gente gosta, Roberta faz pequenos mimos, como este pirulito de chocolate, que as crianças adoram lamber, e que nós adultos adoramos mergulhar no leite ou café bem quentes, fazendo o famoso "submarino".





Em pequenas doses, chocolate faz bem, dá energia e nos estimula.

Meu chocolate preferido no verão é o picolé Chicabon. Postei sobre ele na blogagem Esmalte e Verão (clique para relembrar).

O bolo preferido dos filhos é o Peteleco da Nestlé (clique e faça hoje).





segunda-feira, 14 de abril de 2014

Rugas



Duas coisas evidenciam ainda mais nossas rugas: o sol excessivo e o mau humor. Gente que usa filtro solar e gente que ri, bem humorada, fica com a pele melhor. Não é lenda, é fato.

Neste dia, ri tanto que chorei, borrei o rímel, gargalhei. E o que é melhor: não ri de ninguém, ri da vida, das coisas bobas do cotidiano. (obrigada, amigas).




Pele fácida ou papada? Rugas ou manchas? Quem se importa quando se tem outras coisas boas em que focar? O foco é ser feliz. Ser gentil faz parte da felicidade, assim como ser grato. 


Tento manter meu foco em tudo o que é positivo, deixando para trás o que é negativo, nocivo, azedo. Essa leveza faz com que eu me sinta mais jovem hoje do que há 20 anos, mesmo tendo muito mais rugas.


Controlo as rugas do rosto com tratamentos dermatológicos suaves, nunca fiz, e acho que nunca farei, cirurgia plástica. Mesmo assim, as rugas e manchas das minhas mãos pioram a cada dia, porque lavo-as constantemente, e nem sempre reponho o filtro solar. Manchas envelhecem o visual mais do que rugas, pode observar.




Amo minhas mãos, porque elas fazem muitas coisas bonitas e produtivas (postei sobre esse assunto uma vez, leia "O Melhor de Mim").


A historiadora Mary del Priore escreveu no livro Histórias e Conversas de Mulher que a sociedade de consumo nos exige hoje pele lisa e esticada muito mais do que nos exige roupas de grife, e que a gente permaneça para sempre jovem (também já postei sobre o assunto aqui). 


A escritora aprofunda a questão em um capítulo voltado à estética feminina nos dias atuais. Veja um trechinho na imagem que segue:



Limpeza, hidratação e filtro solar são os cuidados básicos. Ingerir fibras, beber muita água, evitar o excesso de sol e diminuir o consumo de alimentos industrializados são atitudes que ajudam a retardar o envelhecimento da pele.


De nada adianta uma pele lisa em um rosto carrancudo. Lembre-se disso e sorria mais.








terça-feira, 18 de março de 2014

Esmaltes e Cabelos



Este post foi publicado originalmente em 03 de Novembro de 2012 e hoje, 18 de Março de 2014, eu o editei para participar da blogagem coletiva de fotografia "Cabelos".


Em maio de 2013, cortei chanel assimétrico. A cabelereira é a moça que está comigo na foto. Depois de anos usando fio reto abaixo dos ombros, me senti leve e livre com um cabelinho curto:




Cortar cabelo é viciante, ainda mais se cresce rápido como o meu. Então, em fevereiro de 2014, cortei mais curto, viradinho para fora, com as pontas desfiadas (chanel efilado):

(estou segurando a papada das amigas que estão com o 'seus botox' vencidos)


*

Esmalte Sally Hansen Insta-Dri, com pincel largo e chato, excelente cobertura, fácil de aplicar, perfeito para quem pinta as unhas em casa, sozinha, sem ir à manicure.


Escolhi a cor Slick Slate, que parece o castanho do meu cabelo.


Quem tem muito tempo e dinheiro nem precisa se preocupar com os cabelos. Vai três vezes por semana ao cabelereiro e deixa que ele resolva todos os seus problemas. Nós, que temos que administrar nossos recursos da forma mais prática e funcional possível, precisamos estar atentas a alguns itens:



  • Higiene perfeita com xampus adequados ao nosso tipo de cabelo 
  • Hidratação semanal, mesmo que seja rápida e caseira
  • Pentes largos para desembareçar os fios
  • Secador só de vez em quando, pois calor demais deixa a raiz oleosa e o fio ressecado
  • Finalizadores que deixem os cabelos na sua melhor forma, os lisos mais lisos, os cacheados com cachos bem definidos, o brilho mais intenso, o frizz controlado.


Meu antifrizz favorito se chama Frizz-Ease. Eu uso o Sérum John Frieda desde 1998, pois uma gotinha apenas já ajuda a controlar os arrepiadinhos que aparecem no tempo úmido.


No Brasil, o tubo custa cerca de 60 reais. No exterior, custa cerca de 20 reais. Ele dura em média de 4 meses para mim.


Cabelo branco é o fim. Há quem goste, mas eu odeio. Acho que é bom para quem tem mais de 88 anos e só. Eu mesma aplico um xampu tonalizante, Casting da L'Oreal, duas vezes por mês. A cor que eu uso é 6.0 Louro EscurO. O meu castanho natural permanece inalterado, e os fios brancos ganham um tom meio acobreado.



A cada 3 meses ou 4 meses, faço escova progressiva e vou ao salão passar o tonalizante Richesse, que cobre melhor os branquinhos do que o tonalizante aplicado em casa.


Na luz artificial branca, o esmalte ficou cinza!


O que eu tenho usado há anos:
  • xampu Natura linha Naturaplant para cabelos quimicamente tratados diariamente ou xampu Vizcaya Keratina
  • hidratação com ampola Vizcaya Keratina ou Alfaparf Semi di Lino uma vez na semana
  • Não uso condicionador, por isso uso um finalizador diariamente e prefiro da marca John Frieda. Não é propaganda, indico porque o uso há mais de uma década e sempre obtenho o efeito desejado. 
  • Este sérum de hidratação noturna não deu certo para mim. Deixou meu cabelo pesado e com aspecto de sujo. Penso que é ótimo para quem tem cabelos ressecados.
  • Corto as pontas dos fios a cada 2 meses. 




Clique na minha foto e veja o post sobre a hidratação caseira com Alfaparf Semi di Lino



Cortar 2 centímetros das pontinhas faz toda a diferença no visual. Clique na imagem e veja como a gente muda.




Gostou das minhas dicas? Agora me conte as suas! 
Traga todas as suas amigas: carecas, cabeludas, descabeladas, venham brincar.


Na semana que vem
(ou cheia de charme, se quiser Chayenizar)




*


ATUALIZANDO
Este post foi atualizado em 18 de março de 2014 para participara da blogagem coletiva de fotografia da Dani Moreno.


terça-feira, 11 de março de 2014

Água!




Água para beber, agua para banhar, água para refrescar a casa e as plantas. Água é vida, água é alimento, água é diversão!

Aqui em casa, todos amam banho de chuveiro, de piscina, de mar. O calor do Rio de Janeiro nos convida a isso.

irmãos na piscininha em 2004

E eles continuam sendo as melhores companhias atualmente:



Gostamos de jogar bolinha ao cesto, dardos, caçador, tudo na água. Gosto de banho de mangueira e tomei vários gostosos na minha vida, mas essa farra acabou. Não temos mangueira, para não haver desperdício. Dias atrás, tomei banho de chuva e foi ótimo. E você, gosta de brincar na água?




segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Lembranças da Adolescência


Hoje vou mostrar algumas lembranças de namoro da época da adolescência, como esta caixa com escritos de amor, que escrevi e que recebi do meu namorado.


O papel que usei para forrar a caixa continua intacto.



Dentro, bilhetes que recebi e que enviei, tickets de teatro, marcadores de livros, cartas, recortes de jornal de coisas que foram importantes para nós dois.

Um vidrinho com "pílulas de amor" que fiz para ele.



Deveria abrir e tomar uma pílula de amor ao dia:


As pílulas eram, na verdade, pequenos pedaços de papel com frases, trechos de livro e de poemas de que gostávamos.



Mesmo se não fôssemos nos encontrar naquele dia, ele poderia me sentir por perto ao ler uma pílula de amor.



Note que estou contando fatos do século XX e que eu nunca namorei à distância por internet, MSN, ICQ, Whatsapp, Twitter, somente usando papel e caneta...



Nossos códigos e desenhos se mantiveram preservados desde a adolescência até os dias atuais, passando por 20 anos de casamento e mais um tanto de namoro. Pequenas lembranças que nos unem e que gosto de guardar.




.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Morangos Mofados Livro de Caio Fernando Abreu



"Já reparaste que o mundo parece feito de pontas e arestas? (...) Tudo é duro e fere."

Tentando dar contornos mais suaves à aridez do cotidiano, fiz bilhetes de amor em 2013 e os distribuí por aí. Clique aqui  e relembre. O projeto desacelerou, mas prossegue. 

Eu trouxe uma frase do livro Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu. Este livro tem frases ótimas, duras, marcantes. Caio o escreveu muito bem, descrevend
o as cenas e as pessoas com precisão. Li esse livro no século passado e o reli dias atrás. Recomendo!


Participe da blogagem coletiva Fotografia no blog Moca de Familia.


.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Volta às Aulas




Acredito que a escola e os pais precisam estabelecer uma parceria para que o aluno atinja todos os objetivos propostos, sem que os pais tenham que ser bengala nos estudos dos filhos. 


Acompanhar o conteúdo diariamente é o mínimo que se espera da família, trabalhando em equipe, cobrando responsabilidade dos filhos em todas as tarefas da casa e do colégio, ensinando cidadania. Como diz o dr. Içami Tiba, a família tem que funcionar como um time.

Aproveitamos as pastas do ano passado e fomos trocando os adesivos, renovando o visual. Guga prefere tudo em azul, verde e vermelho.




Helena prefere seus objetos em roxo, lilás e rosa. Ela ganhou cadernos, mas preferiu usar fichário. Para que fique sempre arrumadinho, temos pastas diversas. Compramos etiquetas que combinam com o material. Ideias fofas da Loja La Pomme.



Sobre a escrivaninha, eu forrei uma caixa com papel adesivo e reuni os lápis velhos, os novos, a cola, a tesoura, clipes, grampeadores, réguas, cola, pincéis, marcadores. Tudo à mão, para ser encontrado rapidamente.



Lápis, canetinhas, canetonas, giz de cera, guache, pincéis: tudo para os filhos ficarem mais criativos


O que realmente deixa os filhos mais criativos é a leitura. Adorei os livros paradidáticos que a escola solicitou e vou postar sobre alguns com resumos e detalhes. 



Participe da blogagem coletiva Fotografia no blog Mocade familia

No sábado, temos a nova blogagem coletiva

.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Ao ar livre



Hoje, vim mostrar o que mais tenho feito ao ar livre: andar e piscinar. Não tive nenhum dia de mar em 2014, para evitar a superpolulação nas areias de Copacabana, Leme e Ipanema, as praias mais próximas de casa.



Morar no Rio de Janeiro nos dá o privilégio de esbarrarmos em
paisagens lindas, na mistura mais do que perfeita entre mar e
montanha.

Pode-se ter lazer gastando bem pouco, saindo para caminhar e tomar uma água de coco, por exemplo.






Caminhar faz bem, queima calorias e nos põe em contato com a realidade que nos rodeia. 




Mesmo quando estou em casa, me sinto ao ar livre, porque temos uma varanda com vista para a montanha. Esse por-do-sol espetacular eu fotografei quando estava deitada na rede.



Clique no link e veja meus posts sobre Fotografia  e participe da BC do blog Moca de familia.





quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Doces para Você




Esta montanha de morangos com chantily foi a sobremesa da minha amiga Elis, a Lily Luz, que desenhou a boneca do meu blog. Lily mastiga, mastiga, mastiga sem parar. Criei até a hashtag #MastigaLily para homenageá-la!


Morangos com chantilly da confeitaria Casa Cavé do Rio de Janeiro


Em Porto Alegre, a gente come esse doce na Banca 43 do Mercado Público.


Quem estiver de dieta, pode comer somente as frutas, sem o chantilly, ou pode se contentar com um doce artesanal em feltro, como este que a Fernanda do blog Feltro no Capricho fez:





No sábado, venha aqui ver meu post Esmalte e Doce Delícia. Você vai gostar da combinação que escolhi. Clique em Esmaltes e Unhas e veja todas as minas blogagens coletivas de esmaltes dos últimos 3 anos.



Veja mais no marcador Fotografia.

Participe da BC do Moca de Familia

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Cotidiano




Blogar faz parte do meu cotidiano desde 2009. Adoro. Mesmo se eu não publicar um post, eu o registro em imagens ou anoto a ideia.



Todos os dias eu tomo chá, seja gelado ou quente, seja com frutas, com sucos, com cravo, gengibre, qualquer coisa. Todo dia é dia de chá.



Faz parte do meu cotidiano conversar com as amigas, ao vivo, em um cafezinho rápido, ou por mensagens de texto. Não sei ficar um dia sem elas (algumas aparecem comigo na montagem). Muuuuu!



Ando a pé para cima e para baixo, evito ônibus, táxi e carro. No meu cotidiano tempo bom e céu azul são essenciais.

 


Leio todos os dias alguns capítulos de um livro novo, um capítulo de um livro antigo, um poema, trechos de revistas. Leio sempre e vou sublinhando o que me interessou mais.



Meu cotidiano é feito em função dos filhos, dos seus horários e compromissos. Evito agenda cheia, fazemos o básico do básico e, mesmo assim, estamos sempre atarefados. 



Cinema ou video não podem faltar. Em dias mais cheios, vejo trechos dos meus filmes preferidos. Nos dias mais calmos, vou ao cinema. Amo ir ao cinema sozinha, gosto de ir acompanhada e procuro ver o mesmo filme duas ou três vezes.



Sou mãe de cachorro que limpa cocô, xixi, lava patinhas, passa lenço umedecido nos bumbuns, que dá água de coco, que faz cafuné. Cuido das minhas vira-latas como se fossem bebês.

Gabi vai fazer 12 anos em janeiro.


Saio com um esmalte nas unhas, mas no meio do caminho eu pinto com outro, no restaurante, no carro, na sala de espera. Ganho esmaltes das amigas e já saio testando! Faz parte do meu cotidiano pintar minhas unhas e hidratar minhas cutículas.



No meu cotidiano tem tarefas domésticas: arrumo minha cama, limpo coisas, aspiro, ajeito, vou ao mercado, cozinho. Não costumo sobrecarregar a empregada, que já tem muita coisa para fazer.



Mesmo com uma rotina tão comum, eu acho um jeito de me divertir. De janeiro a março, me divirto com o PPV do BBB.


"Todos os dias podem não ser bons, mas há alguma coisa boa em cada dia." (fonte pinterest)

Qual é a boa do seu cotidiano?
Veja mais em Fotografia.




Voltar ao topo Real Time Analytics