Mostrando postagens com marcador Viver Bem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Viver Bem. Mostrar todas as postagens

sábado, 24 de junho de 2017

O filme Lion - solidariedade e gratidão


Eu assisti ao filme Lion umas cinco vezes. Gostei tanto que o indico para todo mundo. É um filme emocionante, sem ser meloso, tem uma história bem contada, tem um roteiro inteligente, tem uma fotografia linda, tem atores maravilhosos. Ele é baseado em fatos reais, mas mesmo conhecendo a história toda, ele nos surpreende. Ele mostra um homem tentando descobrir sua origem, pois foi adotado quando era pequeno, em um país distante, e sente necessidade de montar o quebra-cabeça de sua vida. Saroo é inteligente, é amoroso, é grato. Ele vê seu passado e seu presente com gratidão. Você pode assisti-lo na Netflix ou no Telecine Play. Clique para ver o trailer.



Em uma cena de Lion, Saroo está angustiado, conversa com a namorada sobre o que aconteceu, e ela, mesmo sem poder ajudá-lo a resolver o problema, o conforta estando junto com ele. Às vezes, a ajuda que podemos dar está apenas e tão somente na nossa presença, no desejo de estar passando um momento juntos. Leia mais sobre o filme Lion, uma jornada para casa.

Eu chorei muito, desde que a Gabi morreu, no dia 12 de Maio. O meu autocontrole só funciona durante o dia, ele desaparece na hora de dormir. Sinto insônia, sinto fome, como besteiras, engordei. Uma ansiedade e um nó na garganta tomaram conta de mim. Hoje, venho agradecer às amigas que me deram atenção, carinho, e que se dispuseram a passar um tempinho comigo. 









Unhas com esmalte Risqué Licor, hipoalergênico, cor de vinho bem escuro. 
Pintei em casa, dá para perceber os borradinhos.



Participe desta blogagem coletiva, um post por semana, ou quando for possível, conte o seu momento de gratidão e depois leve seu link lá para a minha amiga Elaine Gaspareto.   



sexta-feira, 16 de junho de 2017

Como Ser Feliz no Amor e no Casamento


Ler sobre o amor e casamento não faz a gente saber amar, mas nos ajuda a refletir se podemos receber e dar amor de melhor qualidade.  Seguem algumas sugestões de textos e filmes sobre amor que li e vi no último mês.

Livro 365 Dias Extraordinários


O Dr. Flavio Gikovate, falecido no final de 2016, tem diversos livros sobre relacionamentos a dois, e este Para ser feliz no amor, mostra como o medo e a baixa autoestima podem destruir nossa vida amorosa.




"(...) O primeiro passo para a felicidade sentimental consiste em aprendermos a ficar razoavelmente bem sozinhos.

Trata-se de um aprendizado e requer treinamento, já que nossa cultura não nos estimula a isso. Temos que nos esforçar muito, já que os primeiros dias de solidão podem ser muito sofridos.

Com o passar do tempo aprendemos a nos entreter com nossos pensamentos, com leituras, música, filmes, internet etc. Aprendemos a nos aproximar de pessoas novas e até mesmo a comer sozinhos.

Pessoas capazes de ficar bem consigo mesmas são menos ansiosas e podem esperar com mais sabedoria a chegada de amigos e parceiros sentimentais adequados. (...)"



Já conheci casais em relacionamentos abusivos e, felizmente, aqui em casa não existe isso.  Qualquer desacordo ou desavença é conversada, porque nós sabemos que o diálogo é o caminho. Tentar ser o melhor ouvinte que puder é uma boa dica. Ouvir bem significa saber conversar bem, e isso gera o melhor entendimento.



Eu sou muito grata ao meu marido, meu companheiro de vida, que me inspira a estudar, aprender e a ser mais bem informada, me mostra lugares bacanas, me dá livros de presente, me desafia aprender. 



*

Para descontrair, trago duas comédias argentinas que atualmente estão na Netflix. Adrián Suar é o ator protagonista nos dois filmes. Un novio para mi mujer mostra um marido exausto do mau humor de sua mulher, que é grosseira e chata. Ele tem medo de pedir o divórcio e ter que aguentar sua ira, então decide arrumar um namorado para ela, acreditando que ela mesma vá pedir a separação se estiver apaixonada pelo sujeito. 



Nesta outra comédia, Dos más Dos, vemos dois médicos, que são sócios em uma clínica e mantêm uma amizade há muitos anos. Um dia, a mulher de um deles resolve propor que façam algo para movimentar a rotina do casamento, e sugere o swing, a troca de casais. Achei o filme bem divertido e com ótimos diálogos, mas o desfecho foi chatinho e moralista.



Por causa da alergia, continuo muito seletiva com os esmaltes, e o Manhatthan Last & Shine é seguro para mim, não causando nenhuma reação alérgica. Esta cor 540 Dark Dance é um vinho, com pitada de marrom, bem bonito para o Outono/ Inverno.





Leia mais sobre o Dr Flavio Gikovate no site Contioutra.

Clique AQUI e leia um trecho maior do livro Para ser feliz no amor.


Este post participa da blogagem coletiva da Elaine Gaspareto





sexta-feira, 19 de maio de 2017

A morte da Gabi



O post que eu nunca gostaria de escrever é este, com as palavras definitivas: Gabi morreu. Como diz a música, tristeza nao tem fim, felicidade, sim.

Minha foto preferida, um beijo entre tantos que ela me deu.


Raramente ela ficava sozinha, e assim que eu chegava, corria para lhe dar um "cheiro". Por 14 anos, ela teve cheirinho de Grando Bebê. 



Quando estava gorduchinha, antes da cirurgia de 2013.



Na sexta-feira, dia 12 de Maio, deitada no meu colo, às 6h 38min de uma manhã de sol, Gabi suspirou e parou de respirar. Foi assim, suavemente, sem gemer, sem desmaiar, sem ter dor aparente, sem convulsões, somente um suspirinho e fim.

Última imagem, uns minutinhos antes de morrer

A veterinária já havia dito que o fim estava próximo, os exames não estavam bons, cardiopatia grave, coração aumentado, fraquinho, prolapso. Ajustou a medicação e me advertiu dos riscos. 

Temos tantas fotos, mas tantas, e eu escolho as de sempre, as que têm mais valor afetivo.

Helena e Gabi, dormindo juntas, em 2003


Muitos beijos


Helena e Gabi, dormindo juntas, em 2017.



Gabi nos deu 15 anos do mais puro amor, Gabi recebeu sempre o nosso melhor, atenção, carinho, cuidados. 


Ela era do tamanho de uma latinha de refrigerante.
 

Era magrinha e estilosa. 

Amava sentar nas cadeiras da varanda


Helena e Gabi (Guga já estava na minha barriga)

Eu digo sempre que só tive filhos humanos porque eu gostei muito de ser mãe da Gabi. Ela me mostrou que eu poderia criar alguém, que eu saberia me doar.



As pessoas nem imaginam a sua doçura, pois têm em mente que pinscher é um tipo feroz, agitado, encrenqueiro, mas isso não acontecia com Gabi. Era meiga, delicadinha, inteligente, me entendia sempre. 



Há cerca de um ano, ficou cega, mas andava pela casa e pela varanda como se enxergasse, muito espertinha. Assistia todos os filmes comigo, era fã de BBB, não perdia um cineminha na minha cama.


Quando viajei, sempre a deixei em casa, com pessoas de confiança, que cuidaram de Gabi como eu cuidava, pessoas que estavam com ela desde bebê. Ela não sofria a minha ausência, mas eu sofria a dela, e eu chorava antes de dormir. Quando voltamos de viagem, no dia 1º de Maio, ela estava remoçada, ágil, e a tia Lekka contou uma história de que os doentes melhoram antes de morrer. Levei na brincadeira, mas foi o que aconteceu. 


Isa sentiu a partida da Gabi, mas estamos dando bastante atenção a ela.


Não estou sofrendo pela morte da Gabi, porque venho me preparando para isso desde 2014, então tivemos 36 meses de "sobrevida", e foram 36 meses maravilhosos. Estamos bem, todos tranquilos e gratos, porque Gabi não teve nenhum minuto de sofrimento.

Como disse a Dra Aline, a chama vai ficando fraquinha, até que vai-se apagar. Apagou a nossa chaminha, eu choro de saudades, mas não de tristeza. Obrigada a cada pessoa que deixou uma palavra de carinho, a cada pessoa que deu carinho à Gabi, muito obrigada.

Um obrigada especial às mães de cachorro com quem convivo, que se dedicam 100% aos seus filhinhos de 4 patas: Caren, Helliayse e Ana Luiza.


Este post participa da blogagem coletiva 52 Semanas de Gratidão, da amiga Elaine Gaspareto, mãe de cachorros como eu.






sábado, 4 de março de 2017

O Poder da Gentileza


Fábula sobre o sol e o vento para demonstrar que a gentileza pode conseguir o que a fúria talvez não consiga. Texto do autor norte-americano Dale Carnegie.

     O sol e o vento discutiam sobre qual dos dois era mais forte, e o vento disse: "Provarei que sou o mais forte. Vê aquele velho que vem lá embaixo com uma capa? Aposto como posso fazer com que ele tire a capa mais depressa do que você."O sol recolheu-se atrás de uma nuvem, e o vento soprou até quase tornar-se um furacão, mas quanto mais ele soprava, mais o velho segurava a capa diante de si. Finalmente, acalmou-se e foi embora. Então, o sol saiu de trás da nuvem e sorriu bondosamente para o velho. Imediatamente, ele esfregou o rosto e tirou a capa. O sol disse então ao vento que a gentileza e a amizade eram mais fortes do que a fúria e a força.


Por que a gente se irrita tão facilmente todos os dias e em qualquer lugar? Eu, pelo menos, tenho pavio curtíssimo. Um atendimento ruim em um serviço, uma resposta atravessada, qualquer coisa é suficiente para que eu queira responder no mesmo tom, mas eu sei que isso não vai levar a nada.

O que fazer? Treinar a paciência. Sou impaciente, sou seca e muitas vezes sou rude mesmo sem ter a intenção.  O "X" da questão parece ser o tempo. Em vez de responder imediatamente, a pessoa que se irrita facilmente precisa de um tempo para respirar e responder sem ser pressionada. Pense nas vezes em que você respondeu imediatamente, respondeu mal, porque não respirou, não pensou. Lembrar da GENTILEZA é difícil na hora da raiva, mas ela acalma o coração.



Nesta semana, só tenho coisas para agradecer, pude sair a dois e namorar, comi comidinha gostosa, vi filmes, acordei tarde. Isso me fez muito bem.   





Gabi teve um mal estar, falta de ar, foi sério. Ela tem 15 anos, tem cardiopatia grave, está com o coração bem comprometido. Começou nova fase do tratamento, e agora toma 15 cápsulas ao dia. Eu estou aliviada por ela ter reagido bem à medicação e sou muito grata à Dra Aline Ferrante, que sempre dá uma atenção especial pra Gabizinha.




Não fui à manicure de novo, pintei as unhas em casa, usei um esmalte vermelho da Ludurana Efeito Gel cor Obra Prima.





Obrigada por ler meu post. Se puder, escreva o link do seu blog nos comentários, para que eu possa retribuir a sua visita.

Participe desta blogagem coletiva, um post por semana, ou quando for possível, conte o seu momento de gratidão e depois leve seu link lá para a minha amiga Elaine Gaspareto.   



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Faça seu Projeto Felicidade



Sempre tive tendência a melancolia, à tristeza, ao negativismo e à depressão. Depois de alguns anos na terapia, consegui mudar em alguns aspectos, fazendo escolhas melhores, dizendo NÃO para o que me machuca e SIM para o que me faz bem. Mesmo assim, todos os dias preciso fazer essa escolha, porque o mau humor e o negativismo são insidiosos, vão espreitando e tomam conta de tudo. Assim como a pessoa escolhe o filme que vai assistir, a roupa que vai vestir, precisa escolher a ATITUDE que vai tomar diariamente. 



Mês de Novembro: Manter o Coração Satisfeito



Comprei The Happiness Project em Amsterdã, o livro estava escrito em inglês, devorei, li, reli, mas precisava ler em português, porque sabia que me tocaria mais. Foi uma excelente compra. A releitura está me fazendo muito bem.



O livro é dividido de forma a que o projeto seja factível em um ano, para cada mês um assunto é abordado e objetivos são propostos. É tudo muito simples, muito fácil de compreender, mas é difícil aplicar no cotidiano.




Eu não sei perdoar e tenho uma enorme dificuldade em lidar com as frustrações, e o livro me lembra do que posso corrigir. Esta lição eu já sabia: "A felicidade tem uma influência forte no casamento, porque os cônjuges "pegam"o humor do outro com muita facilidade". Não somente cônjuges, mas também todos que convivem se contaminam com o humor alheio. 



Fevereiro: Lembre-se do Amor


Como reagir de forma mais positiva quando a gente é negativa? Tentando se educar. A aprendizagem é um processo constante, temos que lembrar disso. 




Não posso gastar, pois estou economizando para...



É preciso reservar um momento para rir, para criar, para se divertir.

Mês de Maio: Levar a Brincadeira a Sério


Todo o texto da escritora Gretchen Rubin pode ser encontrado na internet, mas eu recomendo que compre o livro porque é preciso reler, marcar, consultar. Gostei de tudo, por isso é difícil selecionar poucos trechos.




 O que eu tenho tentado por em prática:

- Fazer um diário alimentar, ter consciência do que como e bebo
- Guardar lembranças felizes para acessar nos momentos difíceis
- Arrumar um tempo para ser boba, dar risada

- Manter um caderno de gratidão
- Pegar leve com as pessoas, deixar pra lá o que não for tão importante
- Evitar ao máximo fazer comentários negativos

- Gerar mais emoções positivas
- Agir de forma a dar provas de amor; somente a palavra não basta
- Sair da rotina de vez em quando, experimentar algo novo
- Lembrar do que é realmente importante
- Cultivar o sentimento de gratidão diariamente




Visite o site da escritora Gretchen Rubin e leia mais sobre os livros dela. O site está escrito em inglês e, se for necessário, use o google tradutor para ajudá-lo.

No blog Desassossegada, a blogueira Stephanie escreveu sobre como este livro a tocou. 

Obrigada por ler meu post. Se puder, escreva o link do seu blog nos comentários, para que eu possa retribuir a sua visita.


Participe desta blogagem coletiva, um post por semana, ou quando for possível, conte o seu momento de gratidão e depois leve seu link lá para a minha amiga Elaine Gaspareto.   



terça-feira, 24 de maio de 2016

Celebrando o Amor Antigo





Este post foi feito em 2010, e volta agora na semana em que celebramos aniversário de namoro.







O AMOR ANTIGO


O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige, nem pede. Nada espera,
mas do destino vão nega a sentença.


O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.


Se em toda parte o tempo desmorona
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.


Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor.





Carlos Drummond de Andrade 
(Amar se aprende amando)


sábado, 24 de outubro de 2015

Para Roma, Com Amor


A viagem que fiz a Roma neste mês de Outubro foi maravilhosa, mas não planejo fazer um post detalhado com dicas de turismo. Vou mostrar o que saboreei.

Imagem que fiz de um texto escrito na janela do metrô 



"A vida é curta... Perdoe rapidamente, beije lentamente, ame verdadeiramente, ria sempre que quiser e não se arrependa de nada que o fez sorrir ou chorar."

"La vita è breve... Perdona in fretta, bacia lentamente, ama davvero, ridi sempre di gusto, e non pentirti mai di qualsiasi cosa ti abbia fatto sorridere, oppure piangere." Texto de Sergio Bambaren


Foi uma viagem não muito planejada, mas desejada. Foi a primeira lua-de-mel que fizemos desde que os filhos nasceram, há quase treze anos. Sozinhos, ele e e eu, por oito dias inteiros.

Alugamos um apartamento pequeno e novinho em Trastevere, um bairro residencial, arborizado, cheio de restaurantes, mas com movimento tranquilo de turistas. Isso nos permitiu um bom descanso, depois de caminhar horas pelo centro histórico, no meio da multidão barulhenta e do tumulto do turismo predatório.

MyApARTSuite


Evitamos o estresse, compramos o Roma Pass, passe de três dias para nos livrarmos das filas de bilheteria nas atrações. Riscamos do nosso caderninho qualquer coisa que nos deixasse de mau humor, escolhemos somente o prazer do passeio, sem a neurose do "tem que ver", "tem que ir", "tem que fazer". 

Levamos menos de 5 minutos para entrar no Coliseu usando o Roma Pass.


Em oito dias, eu só tive que comer, caminhar, namorar e dormir. Eram as únicas obrigações, que foram cumpridas com gosto. Sem pressa, sem pacotes, vagando pelas ruas, olhando os prédios, sentindo o cheirinho dos pinheiros, vendo as nuances de azul do céu.

Roma tem uma cor linda, prédios em tons variados da cor de tijolos, amarelos, alaranjados, ocres, com monumentos históricos a cada esquina, igrejas ricamente decoradas, obeliscos esculpidos de forma inacreditável, uma arquitetura de tirar o fôlego mesmo. 


Piazza Navona vista da janela do Museo di Roma



Piazza di Spagna


Você não precisa entrar em nenhum museu para conhecer a História. Basta ler um pouco sobre a cidade e caminhar, que a História vai saltar à sua frente. Mesmo assim, eu quis conhecer os Musei Capitolini, o Museo di Roma, as Termas de Deocleciano, a Cinecittà, o MaXXI Museo, meu preferido.



Vaticano: não ousei encarar a imensa fila de segurança

O lugar mais interessante da cidade para mim: Pantheon


Referências que usei para a nossa viagem:

Filme "ParaRoma, com Amor", comédia de Woody Allen
Filme "Elsa e Fred", de Marcos Carnevale, cinema argentino da melhor qualidade.






Esmalte KIKO cor 382, cinza chumbo levemente perolado, que comprei na loja Kiko da Via Ottaviano, no bairro Prati.


{Estou com ideias bem bacanas para as nossas blogagens coletivas e vou postar aqui. Volte para ver. Obrigada pela visita hoje!}


Voltar ao topo Real Time Analytics