Encontre o que você precisa

Isto eu não tolero!

em 20/07/2011


A coluna semanal da Martha Medeiros na Revista do Globo é muito boa e, domingo, ao bater o olho no título já fui imediatamente conquistada pela ideia do texto. Martha questiona o que leva uma mulher a selecionar ou descartar um namorado, uma possibilidade de relacionamento. Isso me levou a pensar em uma conversa que tive com @Marinha no twitter dias atrás, quando estávamos as duas "jogando conversa dentro". 



Fator de descarte


MARTHA MEDEIROS


Estávamos, eu e uma amiga, conversando sobre antigos namorados, quando ela me contou uma história engraçada que havia acontecido com ela há muito tempo. Estava saindo com um cara que já demonstrara não ser exatamente um príncipe encantado, mas vá lá, ela seguia tentando, até que um dia estavam dentro do carro e o rádio começou a tocar uma música do Tom Jobim. Ele disse: “Não suporto esse xarope” e trocou de estação. Ela não teve dúvida: trocou de namorado. Nãogostar de Tom Jobim foi o que ela chama de “fator de descarte”. Me assegurou que todos nós, homens e mulheres, temos pelo menos um fator que faz com que paremos de investir numa paquera. Um fator que é intransponível. E então ela me perguntou: qual é o teu?


Fiz um rápido retrospecto da minha vida amorosa – rápido mesmo, porque o elenco é pequeno – e cheguei à conclusão de que meu único fator de descarte seria a violência e a canalhice. Eu não me relacionaria com ninguém que ameaçasse minha integridade física e também com ninguém que não tivesse princípios éticos. Fora isso, não me importo que o candidato a príncipe não goste de Tom Jobim ou que seja gremista, baixinho, caolho e manque de uma perna, desde que possua o meu “fator de exigência”, que é único, subjetivo e não vou revelar qual é.


Essa história de “fator de descarte” explica a existência de tantos desencontros amorosos, de tanta gente continuar comendo mosca quando poderia estar vivendo uma relação, no mínimo, surpreendente. A longa lista de “isso não tolero” é praticamente um passaporte para a solidão. As pessoas não dão chance para os diferentes, para os que não têm o mesmo nível cultural ou o mesmo padrão econômico. Desejam alguém que pense igual, se comporte igual, tenha os mesmos gostos, o mesmo tipo de amigos, preferências idênticas. No entanto, quem garante que um fã de Tom Jobim não possa ser um buldogue no convívio diário? E quem garante que um fã do padre Fábio de Melo não possa levar uma mulher às alturas? Hosana nas alturas!


Eu prefiro Tom Jobim a qualquer padre, pagodeiro ou sertanejo, e acredito que ter afinidades é decisivo para o sucesso de uma relação a dois, mas às vezes um prefere Paris e outro prefere acampar em Trindade, e aí, como faz? 


Relacionar-se é a oportunidade suprema de invadir universos desconhecidos e extrair diversão das indiadas. Claro que há grande chance de virar um deus nos acuda, mas não se pode cultivar ideias imutáveis, tipo “jamais trocarei uma noite no Fasano por um churrasquinho de gato na periferia”.


Exagerei, né? Churrasquinho de gato na periferia, francamente. Só se o cara – ou a fulana – cumprir muito à risca seu fator de exigência. No que diz respeito ao meu, é algo subjetivo, já falei. Altamente psicológico. Pense naquilo que é imprescindível para justificar que você se envolva com outra pessoa a ponto de abrir mão da sua liberdade. Pois então: eis o seu fator de exigência. É isso que importa. De resto, deixe pra ouvir Garota de Ipanema em casa, Tom Jobim não vai fugir.


*


Qual é o seu Fator de descarte? Quais são as oportunidades que você está deixando passar por ser muito exigente? Quais são os sapos que você anda engolindo por falta de autoconfiança? Você racionaliza tudo ou deixa que as emoções a conduzam?  

Quando é que você diz: "Isto eu não tolero!"

Pense, avalie, compartilhe o que realmente conta ao aplicar o seu fator de exigência.


34 comentários:

  1. Ih, Fer, parece que vc leu meus pensamentos. Hoje estava justamente pensando no que me leva a não estar com um namorado. Seria eu uma pessoa exigente demais? Semana passada conheci um cara legal, mas que gostava demais de praia e eu não suporto praia. Foi um motivo para não me dedicar a paquera. O outro que conheci na primeira hora falou uns trocentos palavrões...já descartei... Estou exigente demais, né? Pode brigar comigo. Eu sei que sou exigente e tenho que rever isso urgentemente. Obrigada por me fazer ler seu post. Amei.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. Marta é ótima! Puxe a cadeira sente e converse... Lendo ela.

    Espertinha ela, o subjetivo não fala...

    Ahahaha esse descarte me fez lembrar três restrições que tinha na mocidade (credo! esse termo nem se usa mais rs):

    1 - nunca namorar homem de bigode;
    2 - " " " que fumasse;
    3 - " " " militar.

    Ahahaahah depois de véia quebrei a lata, o segundo maridão é ex militar, o meu pequeno prazer é que desertou... Foi lutar por algo que valesse a pena (na época)...

    Oi Antenada! Amei o texto!

    Beijoooooooooooooo

    ResponderExcluir
  3. Péra, deixa eu me acalmar que meu ego está ultrapassando a barreira do som! ommmmmmmmmmmm

    Realmente nossa conversa foi muito boa, e, eu nunca dei esse nome "fator de descarte", mas com certeza houve um bem importante que me fez acabar com meu casamento.
    Se as pessoas respeitassem seu fator de descarte, não seriam tão infelizes...

    beijo e obrigada pela menção!

    ResponderExcluir
  4. Gente que sério isso.
    Um fator de descarte que já usei foi nao relacionar com pessoas com vicios. Tinha um cara lindo por quem me interessei, mas descobri que ele so conseguia ir para a escola se estivesse 'chapado'. Drogas diversas. Certa vez fui numa festa na casa dele e o prato principal era pipoca com maconha. (isso era nada perto das drogas que ele usava/ usa).
    Cai fora.

    Mas de um modo geral, fator de descarte para mim seria violencia, falta de caráter, estas coisas. Ahhh, poligamia também né! Não me venha dando um de árabe não que eu tiro de casa com muitas vassouradas na cabeça.

    Ótimo este texto Fernanda. Vou pensar mais a respeito e depois respondo com mais seriedade, ahaha.

    Olha só, agora descobri por que nao achava seu post com o resultado do sorteio do Livro Enxaqueca. Ele está salvo na data de 14/6 (junho). Por isso nao aparecia nas minhas atualizações.
    Só achei aqui com o link.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Fernanda, é a Vi, esse post faz a gente olhar para nosso passado e levantar certas questões, tipo: afinal quem é o culpado de eu estar sozinha?
    Eu mesma por ser exigente, e não encontrar um homem que eu julgasse estar a minha altura ou os homens que eram exigentes e achavam que eu não estava a altura deles?
    Manter uma relação afetiva depende
    de ambas as partes, e as vezes sentimo-nos satisfeitas com o companheiro, mas ele não..
    O fundamental é relaxar, e viver bem, tem coisas nessa vida que se a gente for buscar uma explicação logica, vai acabar ficando com depressão.
    Mas eu sempre gostei de homens inteligentes, sera que foi por isso que estou sozinha?kkkk
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
  6. Nossa, gostei do post.
    O que me faz descartar é homem ignorante, intolerante, egoísta, grosso, estúpido, arrogante, autoritário, obsessivo, oportunista, manipulador, canalha, burro, sem asseio corporal, folgado, galinha, que ingere muito álcool, agressivo, dono da palavra... acho que é só. rsrsrsrs
    Tá vendo porque tô sozinha faz tempão?

    ResponderExcluir
  7. Mais um texto matando a pau da Martha!! Adoro essa mulher e suas letras!!
    Minha exigência sempre foi a de respeito e a aceitação. Sou o q sou e não mudo pra agradar ninguém, pois aprendi a aceitar as pessoas como elas são.
    E sabe o que é mais engraçado? Em casa eu e marido somos água e vinho, nunca acharam que fossemos pra frente devido as nossas mega diferenças, e olha aí, estamos caminhando pro 6º ano de muitas alegrias! ;oD

    Obrigada por nos brindar com mais esse texto delícia da Martha, frô!

    Xêros
    Paty



    PS: Quando a gente se permite a convivência com o diferente a gente aprende muito e ensina também, e é justamente isso que eu acho maravilindo na grande arte de re-lacionar-se! ;oD

    ResponderExcluir
  8. Eu faço suas, minhas palavras. Meu fator de descarte seria a canalhice e a violência, e isso abrange tanta coisa!
    Acho que este fator de descarte tem deixado muita gente confusa, acho que na verdade o fator aí é a falta de amor; as pessoas não procuram mais relacionar-se pela vida toda, é apenas enquanto as contas não chegam.

    ResponderExcluir
  9. Bem, usar um sapato feio, cara, isso não dá, tipo ponta fina, é banal é besta, mas sapato feio é demais rsss

    ResponderExcluir
  10. Fe, este texto foi tipo um cutucão na minha ferida, um parar pra pensar, ou melhor, um nomear pensamentos que ultimamente aparecem muito nesta minha cabeça ex loira.
    Eu acho que sou muito exigente mesmo, e vou até tentar ser mais flexível, porque ficar só é bom, mas não pra sempre, né?
    Amei o texto, post mará!
    Obrigada!!!
    Beijosssssssssss
    Vero

    ResponderExcluir
  11. òtimo texto,Marta sabe descrever muito bem o que se passa na cabeça e no coração feminino.
    Meus fatores de descarte eram:
    1-Beber demais;
    2-Não respeitar minha inteligência;
    3-Ser mau educado;
    4--Ser baixinho
    O tempo passou e casei, Fernanda sabe uma pouco da minha estória,com um homem que só atingiu um fator de descate "ser baixinho".Mas o respeito a minha inteligência,ser educado,não beber e tantas outras qualidades conquistaram meu coração.
    Tenho amigas que por possuirem uma lista enorme de descarte estão sozinhas até hj!

    ResponderExcluir
  12. Oi Fernanda!
    Difícil essa questão...
    Meu fator de descarte sempre foi a sensação de me sentir oprimida. Tipo: controle, ciumes, obsessão. Sempre tive pavor disso, mas isso era trauma do meu pai com minha mãe. Então, a pessoa nem era nada disso, mas eu meio que "farejava", sentia muito além da realidade, entende? Tive que tratar muito da minha alma, mente e coração para me ajustar e perceber que muitas vezes o problema era comigo e não com a pessoa em questão. Mas até hoje tenho que me vigiar, pois é meu calcanhar de aquilies. é claro que no resto sou uma mulher normal (será? rs), não tolero violência, desonestidade, traições e canalhices.
    Beijinhos, flor e uma linda quarta-feira.
    Com carinho

    blog: wwww.joartflores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Brigada pelo link que eu queria das receitinhas pra pro no feijão e engrupir marido a comer legumes na marra kkkkk.

    Mas o dito não gosta de feijão tb OMG, mas vai comer um caldinho.

    Eu li esse texto da Marta Medeiros já faz uma semana mas não lembro onde se foi em uma revista ou em algum fórum.

    Gostei bastante....Curto Marta pq gosto de conversar escrevendo que o que farei novamente...

    Eu sou exigente, mas não exigente no sentido de querer expectativas ilusórias que estão apenas na imaginação de final d conto de fadas.

    Reciclar um sapo é consequencia, até porque os homens são exigentes conosco tb... o meu é.

    Eu descarto, como já descartei muita coisa na vida como, grosseria,levianismo, preguiça e o pior pra mim que é falta de ambição, isso mata.

    Sou mulher motor de popa que faz o barco do relacionamento ir adiante e não mulher âncora que sempre estará ali como refúgio não nãooo, almejo coisas e toco o barco pra andar!

    Bjo

    ResponderExcluir
  14. Pelo jeito não 'tô' tão errada como muita gente pensa.Meu marido e eu somos tãããoo diferentes que ninguém entende como ainda estamos casados,mas se eu tenho a minha lista de exigências,ele também deve ter uma,né?E aí...(melhor deixar quieto)!Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Eu adoro a Martha e acho ela certeira sempre, concordo do começo ao fim. Acho que não se pode medir nem julgar ninguém ou um relacionamento baseado nas diferenças, porque no final das contas são elas que acabam unindo ainda mais. Eu não sei hoje qual seria a minha exigência, estou num relacionamento tão bom e estável há 10 anos, que não me imagino novamente no processo seletivo.. kkkkkkkkkkk. Já cedi tanto, assim como ele, mudamos tanto um pelo outro no sentido de aceitar gostos, estilos, personalidades muito diferentes, mas pensamos de um jeito tão parecido que até assusta... Eu sempre fui muito tranquila no quesito aceitar, testar, tentar... acho que por isso nunca tive muitos problemas. Acho que se eu tivesse algum critério mesmo seria em relação à violência também e ética, porque se tem uma coisa que meu marido é, é ser honesto até demais.
    Não conhecia esse texto e amei!

    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  16. Oi Fernanda , amei o texto da Martha Medeiros;
    o que eu nunca irei tolerar num relacionamento é falta de estudo! Eu sou de família da classe pobre, e me esforcei muito para ter um mínimo de conhecimento e cultura; não admitia namorar alguém que não achasse importante os estudos; Conheci meu esposo na universidade acho ele muito inteligente e isso foi o que me conquistou de imediato!
    lembro que meu primeiro namorado não estudava, gostava de ir para festas e tinha um emprego que nada exigia da inteligência eu tinha 16 anos e ele 23 anos; ficava indignada com tanto comodismo terminei!
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Nossa Fer, se eu for citar aqui os fatores de descarte, daria uma listinha boa, mas resumindo tudo, acho que seria aquele homem sem opinião ou iniciativa, pois quando conheci meu marido me apaixonei por ele justamente por ser um homem independente de opiniões (não que ele nunca precise de uma, mas sempre segue firme em suas decisões independente do que as pessoas pensem) e ter iniciativa pra decidir coisas simples sem gerar aquela coisa do vc que sabe, é vc que decide...gosto de homem com personalidade, então resumindo aquele homem que não tolero, é aquele que nos primeiros encontros ao invés de ser decidido, me deixa conduzir tudo (ex: ao me pegar pra sair, já tem que ter em mente o que vamos fazer ou onde iremos, isso me agrada muito, acho que demonstra auto-confiança e eu adoro) mesmo que depois de algum tempo eu queira decidir tudo, me encanta o homem conduzir a relação no começo...

    Beijoão

    www.artdecorandoavida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Para variar, mais uma crônica perfeita da Martha. Incrível como ela consegue expor em palavras sentimentos, praticamente, universais. ;oD

    Há fatores que realmente nos fazem desanimar de relacionar, porém há outros que talvez, em primeira instância, achamos super relevante, mas depois conseguimos aceitar e conviver.

    Respeitar as diferenças é fundamental, nunca acharemos alguém que seja igual ou ao menos bem semelhante a nós, e não teria graça alguma se encontrássemos, o bom é saber conviver.

    Meus fatores de descarte, analisando rapidamente, sempre foram: homem "galinha", fumante, e "admiradores" do álcool...rs

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Fator de descarte e fator de exigência... Parece que tudo fica mais fácil quando colocamos nossas posições nestas duas listas. Mas, se formos analisar nosso passado vamos ver que muitas vezes as posições já foram invertidas porque nós também já viramos do avesso nesta vida louca.

    ResponderExcluir
  20. Olá Fernanda,
    Ao ler o texto refleti e a princípio não me ocorreu qual seria meu fator de descarte, mas ao lembrar do relacionamento de amigas minha acho q a minha maior intolerância é a ignorância.
    Acho q não tem nada pior pra uma pessoa do q ela ser ignorante e pobre de espírito, a pessoa ignorante não evolui, não se aprimora fica presa no seu mundinho, qualquer coisa lhe basta não tem nenhum tipo de ambição, ela se basta na sua ignorância, não quer experimentar coisas novas, sabores diferentes, o pouco que ele tem é suficiente e isso eu não tolero.
    bjos
    Maysa

    ResponderExcluir
  21. Eu acho que as diferenças, servem para somar, pois na maior parte das vezes são elas que mais nos ensinam. Mas o que não tolero de jeito nenhum é covardia, agressão e falta de respeito.

    Bjos

    ResponderExcluir
  22. Amiga, Feliz Dia!!
    Te adoro muito, desde sempre!

    Meu fator de descarte: fumar.
    Nunca passaria da conversa inicial, nem beijo iria rolar. Tá louca beijar cinzeiro!

    Sexta tem lançamento do novo livro da Martha. Vou tentar ir.

    beijos
    Magali

    ResponderExcluir
  23. Fernanda....
    eu amei vir aqui hoje, providencial.rs

    Gosto da Martha e de suas sábias reflexões.

    Como não tive muitas oportunidades pra namorar e escolher, não usei tanto desta ferramenta de descarte.

    Talvez usei o processo inverso: o que ele precisa ter para ficarmos juntos.

    Amei Fernanda....
    Mais tarde farei uma postagem e vou linkar este seu texto.
    Aliás o seu blog a gente tem vontade de recomendar toda hora.

    Fernanda... você já sentiu isso?
    De repente se lembra de uma blogueira e sente uma vontade danada de visitá-la?
    rs

    puxa... aproveitei esse pensamento bom e mandei boas energias pra você, viu.
    beijinho nas crianças
    um abraço carinhoso no seu coração.

    ResponderExcluir
  24. oii... amo martha medeiros, ela é sempre sensivel.. toca o ponto certo.. bjus

    ResponderExcluir
  25. Fer muito bom o texto, adorei!!!
    Acho que nunca tive problemas com meus relacionamentos, sempre soube lhe dar com as diferenças, e acredito que um relacionamento só dá certo quando aceitamos o outro do jeito que ele é.
    Porém, isso não se aplica com agressões sejam elas verbais ou físicas, "isso eu não tolero".
    Bjo bjo!!!

    ResponderExcluir
  26. Oi Fernanda!
    Tô passando pra dizer Feliz Dia do Amigo pra vc! Se puder, tem um cafezinho esperando por vc lá no meu Cantinho! Bjs, Zazá

    ResponderExcluir
  27. Eu acho que esse fator de exigência não existe, quando aparece a pessoa certa, o nosso grande amor, nem lembramos as diferenças que temos. A química, os sininhos tocando, aquela frio no estômago... Diante disso tudo some, desaparece. Só o amor permanece.
    Beijocas...

    ResponderExcluir
  28. Fernanda, eu "não tolero" tanta coisa! Não que as pessoas tenham que ser perfeitas, de jeito nenhum! Estou longe de sê-lo, mas acho que temos que ter um mínimo de conforto em conviver com alguém.
    Como namorada, não fui muito exigente, acho que a juventude nos abre mais os horizontes e pensamos no amor em si.
    Para "escolher" um marido, pensava basicamente em uma pessoa com estudo, bom emprego, bom caráter. Isso bastava e me bastou. Começamos "do zero", ele recém-formado, mas já com um bom emprego(bom=fixo). O resto foi consequência.
    Não saberia viver com alguém muito diferente (gostos,métodos,moral, religião, etc.)de mim.
    Nessa, Martha romanceou demais.
    Quem gosta e pode frequentar o Fasano, não vai nunca, nem por um deus grego, comer churrasquinho de gato na periferia! rsrs

    ResponderExcluir
  29. Fer eu amei esse post. Se eu tivesse levado a risca as diferenças com meu esposo qdo começamos a namorar,hoje talvez não seriamos casados e felizes. Eu cedi de um lado e ele de outro, eramos bem diferentes. Ele curtia Ramones e eu Djavan, ele era skatista e eu patricinha... nada a ver um com outro! Mas hoje somos tão parecidos e pode acreditar temos os mesmos gostos e na verdade são bem diferentes de qdo nos conhecemos.
    Mas pode ter certeza que tem mtas coisas q não tolero.
    Feliz dia do amigo.
    Abraço.
    Cris

    ResponderExcluir
  30. Estamos distantes e ao mesmo tempo tão perto..
    A amizade
    que nos une pode vencer todas as distâncias.
    Ela sim é mais forte que o tempo.
    No decorrer da nossa existencia se vacilamos
    em alguma coisa.
    Seus verdadeiros amigos estão ali sempre
    a seu lado mesmo se o Mundo conspire
    contra você.
    Hoje quero deixar um abraço através dessa telinha e dizer
    te amo linda amizade por tudo que representa na minha vida.
    Um beijo carinhoso,Evanir.
    Tem o presente na postagem.
    Amigos Para Sempre.

    ResponderExcluir
  31. Nossa isso me lembrou alguem q me fez engolir sapos por muito tempo e no final nem valeu a pena...ADOREI!

    Beijos

    Maria

    ResponderExcluir
  32. Quando eu era mais nova tinha tantos quesitos eliminatórios... Em compensação os dois namoros que passaram da fase inicial chegaram ao casamento!
    Hoje, com 13 anos de casada, acho que o fundamental é o respeito. Esse seria o meu fator eliminatório, falta de respeito.
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Se gostou do post, por favor, clique e compartilhe. Se puder, deixe seu link.



TOPO