Encontre o que você precisa

Mamãe, eu quero! - Combata o Consumismo

em 13/09/2012


Deixo meus filhos verem todo tipo de programa, porque estou ao lado deles e vou explicando à medida que os fatos vão-se desenrolando. Eles veem noticiários, algumas novelas, veem reality show, desenho animado, e eu estou junto.

Considero que fiz até agora um bom trabalho, pois não criei crianças consumistas. Pedem coisas, aceitam quando não ganham, entendem os motivos e sabem distinguir diversas propagandas enganosas. Guga com 8 anos e Helena com 9 anos e meio, já têm maturidade para fazerem algumas escolhas. 

Crianças muito pequenas não sabem ainda escolher o que lhes convêm, por isso os pais precisam se aliar e combater os excessos das propagandas. Eu não concordo com algumas ideias divulgadas no grupo Infância Livre de Consumismo, mas defendo e divulgo este tipo de movimento, porque o debate é saudável para abrir os olhos das famílias.

Pedi para minha amiga Vanessa Anacleto responder umas questões para explicar o movimento chamado INFÂNCIA LIVRE DE CONSUMISMO. Eu apóio a ideia e não sabia como abordar o assunto aqui no blog. Se você convive com crianças, leia e divulgue.


1. O que é o Infância Livre de Consumismo?

É um grupo de mães, pais e cidadãos inconformados com a maneira como é feita publicidade de produtos infantis no Brasil. Há algum tempo já o grupo trocava ideias sobre o assunto no Facebook, o Consumismo e Publicidade Infantil. 


Em março deste ano, ficamos sabendo da existência de uma campanha de publicitários que quer fazer acreditar que os resposáveis pelos problemas causados pela publicidade feita para atingir crianças são apenas os pais. Da nossa indignação com essa campanha nasceu a comunidade Infância Livre de Consumismo no Facebook, o @infancialivre no twitter e o blog www.infancialivredeconsumismo.com No grupo que toca as páginas na internet somos 20 mães já conseguimos o apoio de mais de 8000 pessoas em 5 meses.

2. E que causa é essa?

Não aceitamos que os pais sejam os únicos responsáveis pelo mal que a publicidade abusiva causa nos nossos filhos. Se é dever dos pais educar as crianças, é dever do Estado proteger as crianças dos abusos das empresas que visam apenas o lucro com a propaganda. Que família consegue competir com uma grande empresa?

Acreditamos que crianças menores de 12 anos não devem ser bombardeadas com publicidade. Somos nós, os pais, que compramos os produtos e é para nós que a propaganda deve ser feita.

3. Sem propaganda, será que ainda teremos programas infantis? São eles que pagam a programação.

A televisão, o rádio, as revistas e jornais não acabaram com o fim da propaganda para cigarros. Não queremos o fim da propaganda de brinquedos, alimentos para crianças ou roupas. Só lutamos para as crianças sejam protegidas da publicidade sem aquela conversa do: "Pede para a mamãe!", " Seja mais feliz com o sapatinho da princesa", " O biscoito da marca de tal personagem – cheio de gordura – é mais gostoso!"


4. Propaganda para criança sempre existiu, por que proibir agora?

O mundo mudou e também as famílias. Quando nós eramos crianças, nossas mães estavam em casa 24 horas controlando o que nós podíamos ou não assistir. Hojem as mães precisam sair para trabalhar para garantir o sustento dos filhos e muitas vezes são as únicas responsáveis pelas crianças. Não é possível mais controlar a TV dos filhos. As crianças, na maioria dos lares, quando não estão na escola estão diante da TV .

5. Qual o mal que a publicidade abusiva para crianças pode causar?

Se a publicidade fosse apenas para mostrar o produto para a compra, o que tem de bom e por que deve ser comprado, seria ótimo. Mas é impossível chamar a atenção das crianças assim. Quando a publicidade fala à criança que aquele brinquedo fará dela uma pessoa mais feliz, que seus amigos a aceitarão melhor, que ela terá poderes mágicos como os do personagem Tal ou será linda como uma princesa, está transmitindo valores em que o ter é mais importante que o ser. O brinquedo é mais importante que o brincar. Isso angustia as crianças e é abusivo.



Vanessa Anacleto
Escritora - blogueira

http://fio-deariadne.blogspot.com

http://www.maeetudoigual.com.br

siga Vanessa em @fiodeariadne e @maeetudoigual



O livro Culpa de Mãe agora pode ser baixado grátis em pdf. Baixe o livro da Vanessa.


GRUPO ABERTO NO FACEBOOK 

19 comentários:

  1. Olha Fer, eu apoio muito essa idéia do grupo. Nós adultos tmb estamos além dos limites do consumo exagerado. Basta ver o endividamento médio dos brasileiros: um horror! Isso significa, no geral, que gastamos mais do que ganhamos. Por isso valorizo cada centavo e procuro mostrar para os meninos que nao é fácil ganhar, mas que é super fácil gastar e perder $.
    Esse grupo no face é aberto? Quero participar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Adorei a idéia do grupo. Com minha filha eu tive o trabalho de leva-la em um sábado a uma loja de calçados e mostrar calçados de qualidade para ela e os de baixa qualidade que vinham com apelo (tipo da "Barbie" da "Xuxa"), ficamos provando os pares e comparando os preços e o conforto...
    Nunca mais ela me pediu algo que fosse "recomendado" pelas propagandas.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Fernanda (e Vanessa),
    Texto claro e objetivo. Eu não tenho filhos mas vejo em meus sobrinhos o quão angustiante é a pressão para ter tal brinquedo, ou tal produto.
    Vou contar 2 fatos recentes: meu marido foi com meu sobrinho de menos de 3 anos na drogaria comprar fraldas e voltou com um sabonete famoso, antibacteriano, que faz propaganda com crianças. O menino pediu, marido comprou.
    Esse menino agora não quer outro sabonete. Perguntei pra ele onde ele aprendeu o nome do tal sabonete e por que ele quis tanto. Ele disse que viu na televisão e que se usar o tal sabonete não vai ficar doente. Ou seja, a propaganda focou nas crianças e acertou em cheio.
    Outro fato: fomos comprar chinelos pra ele. Adivinha? Quer sempre o que passa na televisão, e de preferência aquele que o apresentador diz que é bom.
    Quantas vezes vemos crianças desistirem de um brinquedo caro, de "personagens", minutos depois de ganhar? É que, ao pegar o objeto de desejo percebem que, na verdade, não era aquela maravilha toda.O brinquedo, como bem disse o texto, se tornou o fim e não o meio. Preocupante... pois enquanto isso os pais se endividam e os aterros ficam lotados de brinquedos quebrados que nunca serviram ao propósito de serem o que deveriam ser: brinquedos de brincar e não de exibir.

    Eita! Fiz um testamento, me empolguei rsrsrs

    beijossss

    ResponderExcluir
  4. Querida Fernanda,

    Adorei a ideia também...não tenho mais filhos pequenos, porém tenho netos que, graças a Deus e aos pais, não tem este tipo de comportamento.Venho de uma época em que só se comprava o absolutamente necessário e desta maneira eduquei os filhos...e estes passaram para os seus.

    É realmente um absurdo o que fazem com as crianças, presas fáceis deste consumismo exacerbado.

    Bjsssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso o texto e a ideia do grupo de mães.
    Já criei minhas tres filhas e sempre também as acompanhei nos programas de TV e tudo mais.Nunca censuramos nada sem explicar o porque e parece , deu certo.
    Agora tem meu netinho que a mãe trabalha o dia todo e como fazer?
    Simplesmente perfeita a ideia de voces .Vou segui-las.
    BJ
    Teca

    ResponderExcluir
  6. OI QUERIDA!FERNANDA, SOU PROFESSORA DO TERCEIRO ANO, CRIANÇAS DE 7 E 8 ANOS. TRABALHAMOS COM PROJETOS E UM DELES É "SOU CONSUMIDOR CONSCIENTE".DENTRE TANTAS ATIVIDADES QUE REALIZAMOS, UMA DELAS É TRABALHAR COM ELES HISTÓRIAS QUE REMETAM AO TEMA. UMA DELAS É "SONHO QUE VIROU PESADELO",QUE FOI ESCRITA POR UMA AMIGA, NÃO ESTÁ PUBLICADA EM,LIVROS. CONTA A HISTÓRIA DE UM MENINO QUE VIU NA TV UMA PROPAGANDA DE UM SUPER-TÊNIS E DEPOIS DE INSISTIR, GANHOU DE SUA MÃE.MAS, AO PARTICIPAR DE UMA CORRIDA NA ESCOLA, O TÊNIS DESCOLOU INTEIRINHO, DEIXANDO CAIO DESCALÇO...ENTÃO TRABALHAMOS A TEMÁTICA "PROPAGANDA ENGANOSA". É MUITO BACANA, DISCUTIR COM ELES OS ABSURDOS...UM DELES É A BOLACHA QUE VEM COM A FIGURA DESTE E DAQUELE PERSONAGEM...É MAIS CARA QUE AS QUE NÃO TÊM,MAS NEM POR ISSO, É MAIS SABOROSA.TAMBÉM TRABALHAMOS UMA ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR.DEPOIS VAMOS AO SUPERMERCADO, COMPRAR O NOSSO LANCHE.CADA UM LEVA O SEU DINHEIRO E O ADMINISTRA. A CRIANÇA APRENDE A DAR VALOR AO DINHEIRO E APRENDE A COMPRAR COM CONSCIÊNCIA...SERÁ QUE PRECISO DE TUDO AQUILO QUE DESEJO?É MUITO INTERESSANTE E DÁ RESULTADO. A ESCOLA TAMBÉM TEM O DEVER DE ENSINAR A CRIANÇA A VIVER NESTE MUNDO TÃO CONSUMISTA!BJS!

    ResponderExcluir
  7. Esse é um tema muito interessantes, meus filhos convivem com amiguinhos de varias classes, tem os riquinhos, tem os pobrinhos e tem aqueles iguas a eles... e ainda tem aquela turminha de "pais separados" que tão sempre ganhando coisas.
    Nossa familia é relativamente pequena e eles ja são sabedores que presentes caros só dos pais... e raramente...
    Acho que estamos passando bem o recado, são crianças educadas que dão valor aos presentes e não pedem nada alem do que podem ganhar.
    bejus

    MARCIA GULLO

    ResponderExcluir
  8. Fernanda , obrigada pelo apoio. As meninas que perguntaram acima: sim o grupo de discussão Consumismo e Publicidade infantil é aberto e hoje tem 1310 membros com discussões e trocas de informações sobre o tema todos os dias. É só chegar. Beijos e obrigada pelos comentários e pela divulgação.

    ResponderExcluir
  9. Post essencial. Desses de imprimir e ler sempre. Eu mesma tenho ficado aflita com esse tema e como educar meu filho sem ser consumista. Muito bom, o grupo, o qual acompanho no FB e as discussões fomentadas pelo mesmo!

    ResponderExcluir
  10. Com certeza essa é uma temática importantíssima para discutirmos em nossas casas, aqui tento ao máximo livrar meus filhos do consumismo exagerado, explico e ainda peço que vejam se realmente precisam de determinada coisa, além do mais eles sabem o que pedir e quando pedir..Fico chocada com a publicidade exagerada de alguns canais..beijus

    ResponderExcluir
  11. Não tenho filhos, mas acompanhei bem essa fase dos meus 4 sobrinhos.

    Ficava brava com os pedidos de coisas de comer vistas na TV, e a criança além de ter vontade de provar, tinha que esperar pq o mercado ainda não tinha pra vender.

    Precisamos mesmo colocar um freio no consumo nosso e dos pequenos.

    ResponderExcluir
  12. Olá Fernanda.
    Muito bom este post. Os meus filhos também vem TV e claro que os anuncios também. E eu oriento e explico conforme é necessário. A mais velha tem 13 anos e nesse aspecto é uma menina equilibrada e não é dada a grandes consumismos. O mais novo tem 3 anos e também está a ser ensinado a medida do seu entendimento. Mas nunca fez birras por querer algum objecto que ou brinquedo que viu. (Faz outras birras claro...) Acho muito importante as crianças serem orientadas neste aspecto. E entenderem que não é por terem determinada coisa que vão ser mais importantes, ter mais amigos, serem mais bonitos e até se tornarem super herois ou princesas. E Era bom que a publicidade fosse mais moderada nessa questão. Gostei muito de ler é um assunto muito importante que não deve ser deixado de lado. Tenho de partilhar claro...
    Beijinhos grandes.

    ResponderExcluir
  13. Oi Fernanda!
    Esse texto é de suma importância para pais que acham que carinho vem em forma de brinquedos..Muitos se sentem culpados por não estarem com os filhos e acabam compensando essa falta com brinquedos..
    Aqui em casa meus filhos não são ligados a esses modismo de brinquedos , sapatos e etc..
    Compro alguma coisinha aqui e acolá ,quando minha situação permite mas eles não se importam se estão em alta na mídia ..
    Por que o que eles querem mesmo é vender e as crianças são consumidoras em potencial ..Qual o pai que gosta de ver o filho chorando por causa de um brinquedo..
    Mas aqui em casa esse tipo de apelação não funciona..
    Bjus!

    ResponderExcluir
  14. Oi Fernanda!

    Eu nunca fui muito impulsiva pra comprar e de uns tempos pra cá tenho refletido cada vez mais antes de consumir.

    Acho sim que os pais não devem sair satisfazendo todos os desejos dos filhos atendendo aos apelos da mídia.

    Uma coisa que não concordo de jeito nenhum é que os pais levem os filhos bem pequenos já pra escolherem os próprios presentes nas lojas. Acho que quebra o encanto. Com meu sobrinho é assim, ele escolhia uma coisa caríssima e que passava na TV. Eu comprava uma coisa mediana mas também legal e ele ficava super feliz e até esquecia do produto que pediu antes.

    E também acho que há datas pra se dar presente. Mesmo que se tenha condição financeira pra dar presente todo dia, não concordo com alguns pais que enchem os filhos de produtos caros diariamente.

    Daí, cadê magia de esperar Natais e aniversários?

    Beijos.

    Clau

    ResponderExcluir
  15. Fernanda,
    Adorei seu post,como sempre muito explicativo e informativo,obrigada por compartilhar...bjusss

    ResponderExcluir
  16. Fer, já fui muito consumista, hj penso muito antes de comprar algo, e com as crianças tbm quero mostrar o significado se ter algo, nao quero que seja apenas ter pó ter.

    ResponderExcluir
  17. Fernanda, eu adoreiii este seu post. Nossa, como eu vejo crianças consumistas e que na verdade os pais são consumistas. E fica neste vício passando de geração em geração.
    Como a vida realmente mudou, o acesso para tudo ficou mais fácil eu também percebo adolescentes em fase de estágio já cheios de dívidas. Se você não ensinar desde criança o motivo da compra, a necessidade e o valor será com certeza um adulto super consumista.
    Acredito nesta educação que você está dando para seus filhos. Escondê-los de programas de televisão por exemplo não adianta, porque esconder não é sinônimo de ensinar. Você está certíssima em estar junto e ensinando.
    A melhor coisa é a educação!!!

    Beijos :o)

    ResponderExcluir
  18. Valeu Fer! eu estava há dias querendo vir aqui para ler teu post. mas precisava de tempo de qualidade.

    O movimento é legítimo, levando em conta o tanto de influências maléficas que nós pais precisamos combater todos os dias. precisamos competir com todo tipo de valores e isso nos torna cada vez mais vulneráveis e inseguros.

    Aqui em casa temos muitas regras, que eu acho que ajudaram a nortear o comportamento dos meninos em vários sentidos. por exemplo, eles só ganham presentes em datas comemorativas. boas notas não devem ser premiadas.e nunca adotamos mesada. o dinheiro é da família e tudo que fuja às regras é discutido nas reuniões de família. e o melhor, eles não sofrem com nada disso. não se deslumbram com a casa dos amigos por ser melhor que a nossa, o carro mais bonito que o nosso, o celular que eles não podem ter, etc
    e também conseguem filtrar esses tipos de comportamentos.


    Parabéns pela postagem e pela criação que tem dado aos teus filhos! por isso sigo sendo tua fã rs

    bjs

    bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Se gostou do post, por favor, clique e compartilhe. Se puder, deixe seu link.



TOPO